Breno Fernandes

Bio

Tenho 35 anos e nasci em Salvador. Mas, como passei a infância em Riacho de Santana, cidadezinha do interior da Bahia, me considero meio soteropolitano, meio riachense.

 

Sou formado em letras e em jornalismo, com doutorado em literatura. Entre 2007 e 2010, trabalhei como colunista de literatura e como repórter da editoria de cultura do jornal A TARDE. Desde então me dedico predominantemente a fazer e a pesquisar literatura. 

Estreei na ficção infantojuvenil em 2002, aos 15 anos, quando o romance O mistério da casa da colina foi um dos escolhidos pela FTD Educação para inaugurar a Coleção Jovens Escritores. Em 2006, publiquei Mil  a primeira missão pelo mesmo selo.

Em 2017, a convite da FB Publicações, selo da editora Caramurê, escrevi Mendax, o ladrão de histórias. Esse romance conquistou o segundo lugar do Prêmio Literário Biblioteca Nacional, na categoria literatura juvenil, e foi uma das obras literárias selecionadas pelo Ministério da Educação para integrar o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD 2018).

Em 2018, foi a vez de Os fanzineiros (FTD), romance juvenil cujo mote é a mistura explosiva de bullying e fake news. Pela pertinência de sua temática, decerto, ele foi um dos escolhidos para o PNLD 2020.


Em 2019, lancei meu primeiro livro de contos: A mão do poeta (Caramurê) — um conjunto de dez histórias que transformam lugares icônicos de Salvador em cenários de tramas à moda do realismo mágico. Essa obra pode ser considerada a primeira que escrevi para um público de variadas faixas etárias.

Já em 2021, publiquei o romance Se eu pudesse, Danila, te levava pra tomar banho de mar em Guarajuba (Caramurê), uma comédia romântica young adult sobre a uberização, isto é, sobre a precarização das relações de trabalho que acontece hoje em dia, ajudada por novas tecnologias. O livro integrou o PNLD 2021.

* * *

Também estou:

2019 – No projeto audiovisual Grafias Eletrônicas, da Fundação Cultural do Estado da Bahia, com o poema Sobre chorar em via pública (clique aqui para ouvi-lo).

2020 – Na coletânea Soteropolitanos, editada por Matheus Peleteiro, com o conto O sal da terra (clique aqui para comprar o livro).

2021 – Na coletânea do 1º Concurso Cultural Literatec, do SENAI CIMATEC, como autor convidado, com o conto O presente de Jean (clique aqui para baixar o e-book).